Não importa o custo, o esforço ou o sacrifício; não se esqueça de que o Caminho existe, de que o Objetivo é atingível e está além de tudo o que você possa imaginar ou conceber agora; de que qualquer preço que tenha sido pago por sua obtenção parece insignificante quando ele é obtido; de que essa é a libertação final da escravidão dos grilhões da matéria e do sofrimento com ela relacionado. A sua obtenção é o serviço e o bem supremos que você pdoe prestar a seus irmãos atados nas correntes de Maia - Mouni Sadhu

Retomar fôlego no Sopro do Vivo

No livro do Gênesis nos é dito de forma simbólica que "Deus modela o homem com o barro da terra, insufla-lhe nas narinas um novo sopro de vida (RUAH) e o homem se torna um ser vivo" (Gn 2,7)

A vida humana é o sopro de Deus. Tornar-se santo, tornar-se espiritual, animado pelo Espírito, é retomar sem cessar o alento, retomar fôlego no Sopro do Vivo. 

São Paulo lembrará que o ser humano, de material e de psíquico PODE TORNAR-SE "ESPIRITUAL", isto é, literalmente "pneumático": um ser humano habitado pelo pneuma, pelo Espírito. Do contrário, ele continuará sendo carne (escravo do sensorial condicionado), isto é, composto de matéria, de emoções e de pensamentos que, como todo composto, será um dia decomposto. A finalidade da vida cristã, dizia São Serafim de Sarov, "É A AQUISIÇÃO DO ESPÍRITO SANTO" (não condicionado, não dependente), é deixar-se habitar em todas as dimensões de seu ser criado pelo próprio sopro daquele que é "não criado" não feito, não composto". 

Isto deveria levar-nos a transfiguração do corpo (metamorphosis), à abertura do coração (amor universal incondicionado) e à iluminação do intelecto (participação na própria sabedoria de Deus). A realização plena desta habitação do Espírito Santo foi vivida e manifestada por aquele que chamamos Cristo — do grego Christos, do hebraico Messias — isto é, "o Ungido", aquele em quem repousa a unção, a PLENITUDE do Espírito. 

Como não pensar também naquele belo texto do profeta Ezequiel: 

"Vem, ó Espírito dos quatro ventos, soprar sobre estes mortos (seres de mente adquirida) para que possam reviver (reintegra-se na Perene Consciência Amorosa e Integrativa). Profetizei conforme me foi ordenado e o sopro entrou neles e eles reviveram e se puseram de pé..." (Ez 37,9)

Este antigo texto tem sua atualidade. Nossos corpos, nossos corações, nossas inteligências são mais ou menos dissecados. Estamos mais ou menos "a ponto de esgotar nosso sopro". 

Temos sempre necessidade de deixar-nos "inspirar" pelo Vivente, temos necessidade de ser animados, reanimados por Ele. 

São João retomará este tema do sopro e do vento na conversa de Jesus com Nicodemos: 

"O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem nem para onde vai. O mesmo acontece com aquele que nasceu do Espírito" (Jo 3,8)

Nascer do Espírito (resgatar a Perene Consciência) é passar para uma outra dimensão do Ser, passar do criado ao incriado, passar do sopro que se esgota ao Sopro Vivo, entrar no Vento. 

Enquanto sabemos de onde viemos e para onde vamos, ainda estamos no espaço-tempo, ainda estamos no mundo psíquico dos começos e dos fins, ainda não estamos no mundo espiritual. pneumático (livre do ciclo das causalidades). 

Este símbolo do sopro e do vento é um bom símbolo!

Meditá-lo, "praticá-lo", pode conduzir-nos à EXPERIÊNCIA DO ESPÍRITO SANTO, até aquela profundidade silenciosa, incriada, donde vêm e para onde retornam nossos mínimos sopros. 

É por isso que, na tradição hesicasta, "a aquisição do Espírito Santo" começará por uma ATENÇÃO À RESPIRAÇÃO, uma escuta do sopro que nos habita, para lembrar-nos que o ser humano não é "o túmulo da alma", mas "o templo do pneuma", o templo do Espírito: uma casa para abrigar o vento. 

Jean-Yves Leloup
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Quem já sentiu o Espírito Supremo não pode confundi-LO com nada, esquecê-LO ou negar SUA existência. Ó Mundo, se recusares a reconhecer SUA existência com voz unânime, irei abandoná-lo e ainda preservar a minha fé".

"A percepção do desconhecido é a mais fascinante das experiências. O homem que não tem os olhos abertos para o misterioso passará pela vida sem ver nada." - Albert Einstein

"Enfim, podemos continuar acreditando que somos criaturas localizadas, isoladas e condenadas, confinadas ao tempo e ao corpo, e separadas de todos os outros seres humanos. Ou então abrimos os olhos para a nossa NATUREZA IMPESSOAL e ONIPRESENTE e para a MENTE UNA da qual fazemos parte. Se escolhermos a primeira alternativa, nada nos salvará. Se porém, resolvermos despertar para este divino EU, estaremos frente a frente com um novo alvorecer." - Larry Dossey